Veja 4 boas práticas para melhorar o controle financeiro empresarial

Veja mais

Muitas pessoas alimentam o grande sonho de ter o seu próprio negócio. No entanto, muitas delas se esquecem dos desafios cotidianos enfrentados pelos gestores. Uma boa gestão está diretamente ligada à capacidade de enxergar problemas e propor boas soluções. Um dos segredos da boa gestão financeira consiste, justamente, na aplicação de práticas que aprimorem o controle financeiro empresarial.

Para entender a relevância desse monitoramento, basta frisar que ele gera impactos (positivos ou negativos) em todos os departamentos da empresa. Dependendo da qualidade do controle das finanças, a empresa poderá investir mais ou menos em certo setor, por exemplo.

Por essas e por outras razões, o controle das finanças merece uma atenção mais do que especial. Para isso, é essencial seguir as 4 dicas exibidas na sequência. Acompanhe!

1. Fazer um planejamento financeiro detalhado

Uma gestão eficaz também depende de um planejamento financeiro minucioso. Isso significa que ele deve ser o mais detalhado possível. Nesse sentido, é vital informar quais serão as fontes de receita pretendidas, por exemplo.

Ao mesmo tempo, é preciso determinar qual será a porcentagem alocada para os futuros investimentos. Some-se a isso a necessidade de estimar qual será a periodicidade dos reinvestimentos.

A história comprova, há muito tempo, que a administração das finanças de uma empresa não pode se embasar no improviso. Sem dúvida, a criatividade de lidar com problemas é extremamente importante.

Em se tratando de dinheiro, no entanto, é preferível ter uma dose maior de organização e planejamento. Vamos deixar a criatividade para as ocasiões em que ela realmente for imprescindível. Um exemplo? A própria elaboração do planejamento estratégico do negócio.

Com relação ao planejamento financeiro, é preciso entender que não basta implantá-lo. Na verdade, existem outras etapas que jamais devem ser menosprezadas. Elas são essenciais para que o respectivo planejamento seja, de fato, funcional para o negócio.

Um dos principais aspectos se refere à organização de todos os processos financeiros inerentes à empresa. Nesse ponto, é importante relacionar receitas, custos, despesas e investimentos.

Em suma, o planejamento deve ser totalmente capaz de responder à seguinte questão: de onde vem o dinheiro e para onde ele vai? Hoje, a organização de um planejamento financeiro empresarial se tornou bastante facilitada devido aos avanços da tecnologia.

Mesmo depois de implantar o planejamento financeiro de modo organizado, ainda é preciso monitorar os resultados proporcionados pela empresa. Nunca é demais lembrar que esse plano é reflexo do mundo ideal. Ocorre que nem sempre as expectativas são confirmadas pela realidade.

Diante disso, é primordial verificar se:

  • há algum atraso com relação ao pagamento do fornecimento de insumos;
  • há algum atraso quanto ao pagamento dos salários dos funcionários;
  • o capital de giro está com um número capaz de sustentar o negócio.

As respostas a todas essas perguntas serão decisivas para descobrir se o planejamento precisa ser corrigido. Caso tenha sido mal elaborado, não deve ser descartada a possibilidade de uma revisão profunda nos pontos centrais que o regem.

Outro detalhe que funciona muito bem como indicador de sucesso ou de fracasso do planejamento financeiro é a conquista das metas. Se a empresa estiver distante de bater as metas, é evidente que os objetivos finais dela ficarão igualmente remotos.

2. Cuidar do capital de giro do negócio

Impossível falar em controle financeiro empresarial sem mencionar a gestão do capital de giro. Em outras palavras, cabe ao gestor financeiro a tarefa básica de analisar qual é o andamento do ativo e do passivo circulantes.

Basicamente, vamos lembrar que o ativo circulante corresponde a algo fundamental: o nível de liquidez da empresa em um curto prazo. Do outro lado, o passivo circulante indica quais são os gastos relativos ao mesmo período.

Para que tudo se mantenha na mais perfeita ordem financeira, é substancial receber os pagamentos dos clientes em tempo hábil. Desse modo, é possível ganhar um tempo precioso para honrar os compromissos financeiros com os fornecedores.

Uma boa gestão do capital de giro deve ser capaz de negociar melhores prazos com os fornecedores. O ideal é que os pagamentos gerados pelas vendas cheguem a tempo de serem, em parte, revertidas aos fornecedores.

Assim como tudo na vida, os rendimentos devem se antecipar aos pagamentos das contas. Quando esse processo se inverte, é hora de acionar um alerta e rever toda a gestão do capital de giro.

3. Melhorar a gestão do fluxo de caixa

Como mencionado anteriormente, o planejamento financeiro serve para prever quais serão as fontes de receita e os possíveis gastos do negócio. Enquanto isso, o fluxo de caixa é um registro fidedigno das operações financeiras efetuadas no decorrer de um determinado intervalo.

Para que ele seja bem gerido, é crucial que a empresa consiga realizar projeções desse mesmo fluxo. Isso evidenciará se as ações previstas no planejamento estratégico estão cumprindo os objetivos esperados.

Vale observar que tal análise depende de um fluxo de caixa à prova de erros. Em outras palavras, é altamente recomendável diminuir ao máximo o risco de falha humana.

Hoje, isso pode ser feito mediante a adoção de ferramentas tecnológicas precisas. A escolha por esses recursos tem sido um diferencial competitivo de muitas empresas — não é à toa, uma vez que a utilização de softwares gera economia e ainda proporciona resultados bem mais confiáveis.

4. Antecipar recebíveis em vez de acumular novos empréstimos

Finalmente, temos a antecipação de recebíveis. Lá no início, falamos sobre a importância de encontrar boas soluções. Uma delas reside na antecipação de recebíveis.

Em algum momento, a empresa terá de aplicar uma determinada quantidade de recursos em novos investimentos. Um dos caminhos para isso é o clássico empréstimo. Outra, bem mais interessante, é a antecipação de recebíveis.

Trata-se de um dinheiro que já pertence à empresa. Ela apenas exerce o direito de antecipá-lo. Para isso, basta solicitar o suporte dos especialistas de uma securitizadora. Contar com esse tipo de apoio é tão importante para melhorar o controle financeiro empresarial quanto qualquer outra medida apresentada anteriormente.

Ficou interessado em saber mais sobre a antecipação de recebíveis e outras informações relevantes para o crescimento da sua empresa? Siga a gente nas redes sociais e não perca mais nenhuma novidade do mundo corporativo!

gestão de fluxo de caixa

Voltar