Diversificação de investimentos: entenda por que considerar essa estratégia!

Veja mais

Investir com sucesso não significa escolher um produto financeiro de interesse e colocar todo seu dinheiro em busca dos resultados. Na verdade, o mais indicado consiste em adotar a estratégia conhecida como diversificação de investimentos.

Segundo o jargão do mercado financeiro, essa é uma maneira de evitar que todos os ovos fiquem na mesma cesta. Portanto, evita que, em uma queda, sua carteira de investimentos sofra um grande impacto.

Quer saber o que fazer para diversificar seus investimentos? Continue a leitura e conheça melhor a abordagem!

O que é a diversificação de investimentos?

A diversificação consiste em uma estratégia que busca distribuir os recursos em investimentos distintos do mercado financeiro. A ideia é diminuir a concentração em certos produtos, setores e condições, permitindo o aproveitamento de mais alternativas.

É uma solução aplicável para a composição de carteira. Ao adotá-la, sua tomada de decisão para criar o portfólio passa a envolver a busca por ativos e aplicações com correlação negativa. Ou seja, que se comportam de maneiras diferentes.

Por que vale a pena diversificar investimentos?

Conhecer e adotar a diversificação se justifica pelas vantagens que ela oferece. Essa é uma maneira de alcançar resultados melhores em termos de segurança e rentabilidade ao alocar seu dinheiro.

Diversificar as aplicações financeiras selecionadas impede a concentração do risco. Em um portfólio diversificado, enquanto um investimento pode trazer perdas, outro pode gerar ganhos. Assim, os resultados tendem a ser compensados e você não sofre impactos tão grandes.

Em relação ao retorno, pode ocorrer o aumento da performance positiva. Talvez um investimento tenha um rendimento modesto, enquanto outro tenha um crescimento maior. Na média, o retorno será mais elevado ao investir nos dois do que em possuir apenas o primeiro em sua carteira.

É o que acontece, por exemplo, ao unir investimento na renda fixa e investimento de renda variável. As aplicações de renda fixa oferecem mais segurança, enquanto as outras aumentam o potencial de ganhos. Portanto, é uma estratégia para ter resultados mais equilibrados.

Como adotar a diversificação de investimento?

Para diversificar a sua carteira não basta escolher investimentos diferentes. Na verdade, há o risco de fazer uma pulverização ou diversificação falsa. Ela consiste em ter alternativas diferentes, mas expostas às mesmas condições.

Se você quer uma diversificação efetiva, precisa considerar a correlação entre as opções. A seguir, veja como incorporar essa estratégia à sua carteira de investimentos!

Identifique seu perfil de investidor

Antes de realizar qualquer aporte é fundamental saber qual é o seu perfil de investidor. Isso ajuda a definir qual deve ser a proporção dos seus investimentos, evitando que a diversificação o leve a correr riscos acima da sua tolerância.

Nesse momento, há três classificações:

  • conservador: é o investidor que tem baixo apetite ao risco e prioriza a segurança e a liquidez;
  • moderado: corresponde a quem está disposto a correr mais riscos, desde que isso aumente a chance de ganhos;
  • arrojado: é quem tem o maior apetite ao risco, com grande tolerância à volatilidade, em busca de ampla rentabilização.

O chamado teste de suitability envolve algumas perguntas e, dependendo das suas respostas, você será classificado em um desses perfis. Depois, você poderá considerar seu perfil para diversificar a carteira de modo adequado.

Avalie os objetivos financeiros

Após entender qual é o seu perfil de investidor, é preciso determinar os objetivos financeiros. Eles servem, principalmente, para estabelecer o resultado desejado e o tempo de aporte. Por isso, variam entre objetivos de curto, médio e longo prazo.

Se o peso maior da sua carteira estiver no curto prazo, faz sentido priorizar investimentos seguros e líquidos. Já se a intenção for constituir patrimônio no longo prazo, você poderá ter uma diversificação de investimentos mais focada em produtos com risco maior.

Explore as alternativas do mercado

Ciente das suas características, é o momento de começar a definir o que fará parte da sua diversificação de investimentos. Para tanto, é necessário conhecer as principais alternativas que estão disponíveis no mercado financeiro.

Um dos aspectos essenciais é identificar as classes de investimentos — divididas entre renda fixa e renda variável. No primeiro tipo, os produtos têm regras definidas de remuneração e oferecem mais segurança e previsibilidade. Na renda variável, há mais riscos e maior potencial de retorno.

Porém, mesmo dentro da renda fixa há uma subdivisão. O crédito privado, por exemplo, envolve a emissão de títulos que apresentam um nível de risco um pouco maior, mas que podem superar a rentabilidade dos investimentos mais tradicionais.

Entre os exemplos, temos os certificados de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA). Eles são títulos emitidos por securitizadoras e têm início com a antecipação de recebíveis para empresas dos respectivos setores.

Os produtos não têm cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), mas, como vantagem, oferecem isenção de Imposto de Renda sobre o retorno. Na prática, isso torna a rentabilidade líquida maior, sem que seja preciso abrir mão da previsibilidade da renda fixa.

Distribua recursos em diferentes ativos

Ciente das oportunidades que estão disponíveis, é o momento de distribuir o dinheiro. O princípio da diversificação de investimentos é, exatamente, fazer com que seu patrimônio não esteja concentrado em uma ou poucas alternativas.

Nesse momento, lembre-se da correlação. Investir em diversos títulos de renda fixa de emissores diferentes, mas que rendem na mesma lógica, por exemplo, não diversifica riscos. Em um impacto na rentabilidade deles, sua carteira toda sofrerá.

Do mesmo modo, ter apenas ações na carteira ou investir a parcela de renda variável em uma mesma empresa deixa você muito exposto aos riscos dela. Na hora de diversificar, vale a pena avaliar investimentos com comportamento oposto em relação a perdas e ganhos.

Nesse sentido, os títulos de crédito privado podem ser interessantes para qualquer perfil de investidor. Para os conservadores, eles ajudam a ampliar a possibilidade de rendimentos. Para moderados e arrojados, oferecem ganhos um pouco maiores, com a previsibilidade da renda fixa.

Agora você aprendeu como fazer a diversificação de investimentos e entendeu por que ela é importante. Ao colocar nossas dicas em prática, seu portfólio estará mais protegido e poderá gerar resultados melhores!

Ajude outros investidores a conhecerem essa forma de tomar decisões. Compartilhe o artigo em suas redes sociais e debata com seus contatos!

Voltar