O que são fundos de investimentos em direitos creditórios não padronizados?

Veja mais

Você sabe como investir o seu dinheiro? Conhece a opção de fundos de investimentos em direitos creditórios não padronizados? Não!? Neste artigo esclarecemos o que representa essa modalidade. 

O mercado de investimento brasileiro apresentou um grande crescimento ao longo dos últimos anos. No entanto, algumas opções de investimento ainda são desconhecidas pela maioria dos investidores iniciantes. Em destaque, o fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC) que apresenta uma rentabilidade bem superior à da poupança, por exemplo.

Então, se você não soube responder às perguntas anteriores, fique tranquilo! No artigo de hoje, vamos te ensinar tudo sobre essa modalidade de investimento, incluindo suas vantagens e desvantagens. Continue a leitura e conheça essa forma de investir!

O que é um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios?

Antes de entender os diferentes tipos de investimentos em direitos creditórios, é importante estabelecer o que é o FIDC.

De forma simplificada, o FIDC é um fundo de investimento de renda fixa, no qual se aplica o capital em direitos de créditos de empresas.

Detalhando um pouco mais, os direitos de crédito de uma empresa são os valores que ela receberá em um futuro próximo, como cheques e parcelas no cartão.

Por exemplo, ao vender um produto parcelado, a empresa tem o direito de receber esse valor em um tempo predeterminado. Contudo, a empresa tem a opção de transferir o direito sobre esse crédito para um investidor e receber o valor que o cliente pagaria. Posteriormente, quando o comprador efetuar o pagamento, o investidor é que receberá o dinheiro.  

No mercado financeiro, essa transferência do direito sobre o crédito é chamada de securitização. Sendo que nesse investimento, há uma divisão entre direitos creditórios padronizados e não padronizados.

No caso dos padronizados, a aplicação somente é feita em direitos de crédito com baixo risco, como cheques, nota promissórias e cédula de crédito imobiliário. Apesar da sua importância no mercado financeiro, o foco do nosso artigo está no não padronizado.

Fundo de investimento em direitos creditórios não padronizados: qual a sua aplicabilidade?

O grande diferencial do FIDC não padronizado é que ele não se restringe a títulos convencionais, podendo garantir ao investidor o maior número de áreas possíveis para investir.

Nessa modalidade é permitido, então, o investimento em direitos creditórios de maior risco, como créditos vencidos, derivativos de crédito, precatórios e créditos de empresas que estão se recuperando.

Como funciona?

Os fundos de investimentos em direitos creditórios não padronizados são estabelecidos por meio de dois tipos de fundo e duas cotas diferentes.

Em relação ao tipo de fundo, existe o aberto e o fechado. A diferença entre eles é que no fundo aberto, o cotista pode resgatar o seu investimento quando desejar, disponibilizando mais segurança na hora de investir. Por outro lado, o fundo fechado não oferece essa possibilidade ao investidor.

As cotas basicamente determinam quando o dinheiro será recebido pelo cotista, ou seja, quando haverá rentabilidade. No caso da cota sênior, a rentabilidade será fixa, predeterminada, com preferência no recebimento do resgate.

Na cota subordinada, como o próprio nome sugere, o valor somente é recebido após o pagamento da cota sênior, fazendo com que haja mais risco de inadimplência do fundo.

Por fim, temos também duas formas de aplicação: por subscrição ou por aquisição de cotas no mercado secundário. Esclarecendo um pouco mais, a primeira normalmente ocorre assim que o fundo é lançado no mercado.

Qual a rentabilidade?

Por se tratar de um investimento de renda fixa, o fundo de investimentos em direitos creditórios não padronizados apresenta uma opção muito atrativa para os investidores.

Apesar de os riscos serem maiores, como já tratado, a rentabilidade da cota subordinada pode ser maior que a sênior. Isso ocorre porque nesse tipo de cota, as taxas normalmente não são preestabelecidas.  

Para calcular a rentabilidade do investimento, as empresas utilizam uma porcentagem de variação do CDI, que são títulos emitidos por uma empresa, que tem capital para um negócio que precisa de recursos financeiros para repor o seu caixa.

Quais são os riscos?

Assim como todo investimento, o FIDC- NP não está isento de riscos. A seguir descrevemos os principais deles.

  1. Risco de crédito: por se tratar de uma transferência de crédito, o comprador pode não honrar com o seu compromisso de pagar ou atrasar o pagamento, gerando menor rentabilidade para o investidor.
  2. Risco de liquidez: por ser um investimento pouco comum no mercado, pode apresentar baixa demanda. Por isso, o investidor deve estar atento à aplicação por aquisição de cotas no mercado secundário.
  3. Risco de mercado: esses riscos são oriundos das oscilações do próprio mercado, como inflação ou valorização dos ativos do fundo.
  4. Risco operacional: por se tratar de um fundo de administração fragmentada, pode ocorrer um erro de uma parte da organização financeira, ocasionando prejuízo para o fundo como um todo.

Quais são as vantagens?

Os fundos de investimentos em direitos creditórios não padronizados apresentam uma ótima opção para quem deseja diversificar no mercado de investimento. Além disso, existe uma rentabilidade alta, normalmente acima de 120% do CDI.

Apesar de representar um risco maior que o FIDC padronizado, os fundos de investimentos em direitos creditórios recebem uma classificação de risco por agência, o que facilita a escolha de qual fundo investir.

Ainda em relação à segurança do fundo, o investidor tem a possibilidade de contratar uma consultoria para verificar os recebíveis antes de fechar o negócio. Outro ponto que deve ser destacado nesse sentido é que o controle do fundo é fiscalizado por diversas empresas, fazendo com que ele se torne ainda mais seguro.

Quais são as desvantagens?

O FIDC- NP é indicado apenas para investidores experientes e bem qualificados, pois não há, nesse tipo de empreendimento, uma garantia de Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Além disso, o valor mínimo a ser investido é alto. Sendo que por meio da determinação do próprio órgão regulamentador, o valor do investimento deve ser no mínimo de R$ 25 mil, tornando-se, então, um investimento de risco para pequenos investidores, haja vista sua baixa avidez.

Quais são os cuidados antes de investir?

Como já tratado anteriormente, o mercado financeiro vem crescendo em proporções significativas nos últimos anos. Entretanto, é importante sempre ter em mente que a informação é o primeiro passo para um investimento seguro. 

Por isso, o objetivo desse artigo é informar você sobre os fundos de investimentos em direitos creditórios não padronizados e explicitar que uma consultoria especializada no assunto pode ser de grande valia na hora de investir. Deseja saber como contratar? Você pode assinar nossa newsletter, e nela você encontrará diversas informações relevantes sobre negócios.

Voltar