Certificado Great Place to Work

4 dicas para uma boa gestão de riscos financeiros

Veja mais

Entre as atividades de administração da empresa, os processos financeiros são um dos que mais precisam de atenção. Como lidam diretamente com os recursos para manter o negócio, é preciso criar mecanismos para a sua segurança. Com esse objetivo, desenvolver medidas para implementar uma gestão de riscos financeiros é o ideal.

Porém, podem ocorrer dificuldades nesse processo, seja porque a empresa não tem estrutura para efetivar, ou por ter pouco conhecimento sobre essa ferramenta. A fim de mostrar alguns conceitos a respeito da gestão de riscos financeiros, separei as principais informações sobre o assunto. Confira!

Saiba o que é gestão de riscos financeiros

Podemos descrever a gestão de riscos como um conjunto de medidas estratégicas que sejam capazes de identificar e mapear os riscos de um processo antes que eles aconteçam, o que proporcionando à gestão a capacidade de reconhecer oportunidades e ameaças para executar melhorias.

É importante perceber que, independentemente da atividade executada, há sempre a possibilidade de risco, principalmente no caso do setor financeiro. Portanto, sejam riscos altos ou baixos, é necessário que a administração tenha estratégias para lidar e também preveni-los. Agora que entendemos o que é e qual é o objetivo, vamos ver 4 dicas de como realizar uma boa gestão de risco.

Veja 4 dicas para a realização de uma boa gestão

1. Faça um planejamento

Um dos primeiros passos para se prevenir em relação aos riscos de um processo financeiro é fazer o seu planejamento. Essa é uma ótima maneira de obter um bom panorama e realizar previsões. Nessa etapa, é interessante também fazer suposições de possíveis problemas que possam aparecer e pensar em como saná-los.

2. Monitore os procedimentos

Após identificar os riscos de um procedimento financeiro e desenvolver as medidas para resolvê-los, a gestão deve continuar acompanhando os seus resultados. Afinal, por mais que naquele instante a atividade não possua nenhum risco, isso não significa que futuramente algo não possa acontecer. Por isso, é importante periodicidade no acompanhamento dessas ações para se prevenir de possíveis novos riscos.

3. Faça um levantamento das inseguranças

A partir do momento em que a gestão começar a monitorar os riscos, haverá boas oportunidades para coeltar informações sobre a maneira como a empresa realiza as suas operações financeiras. Nesse sentido, é hora de fazer um levantamento das situações em que a companhia ficou mais exposta a riscos.

Quais atitudes a trouxeram para esse cenário? Se há uma dificuldade em compreender o que seriam situações que trazem insegurança, digamos que são momentos em que o negócio está exposto a ameaças. Falhas nos sistemas de segurança na hora de passar informações financeiras são um bom exemplo.

4. Invista no controle

Existem muitas ferramentas para controlar os processos financeiros da empresa. Planilhas, sistemas de gestão, relatórios etc. Não se limite: utilize o que for necessário para controlar os processos e se precaver diante dos riscos.

Também é válido lembrar de que, em alguns casos, não será possível evitá-los, mas apenas diminui-los. Por isso, a importância da análise e controle constante. Assim, a empresa poderá realizar os seus processos financeiros com mais segurança e ter mais resultados desejáveis.

Conheça 3 ferramentas para a gestão de riscos

Até agora, deu para perceber que a gestão de riscos é um procedimento fundamental para que a empresa realize as suas atividades com segurança e efetividade. Agora vamos conhecer 3 ferramentas para executá-las.

1. Método Swot

Swot é a sigla para Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats (Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças). Essa é uma ferramenta bastante popular e tem como características sua facilidade de execução e o bom alcance. Em primeiro lugar, a gestão analisa a situação econômica do processo, separando cada etapa e identificando seus possíveis riscos e também oportunidades.

Sendo assim, a ferramenta, na prática, é apresentada em forma de quadrante, de um lado ficam as forças e fraquezas (ambiente interno) e do outro as ameaças e oportunidades (externo). Dessa forma, a gestão consegue prever de maneira mais clara quais serão as possibilidades de ganhos se a empresa tomar certa atitude.

2. Metodologia PERT

O Program Evaluation and Review Technique é um método para que a gestão perceba o grau de incerteza ao realizar determinada ação. É uma ferramenta ideal para analisar as variabilidades de resultados, trabalhando com 3 diferentes circunstâncias: o mais provável de acontecer, o melhor e o pior resultado.

O primeiro está relacionado ao que pode ocorrer se a empresa realizar os seus processos sem nenhum imprevisto. O segundo procura projetar o resultado mais otimista possível, analisando cada atividade e qual seria o melhor desfecho para cada uma.

Já o último contempla o cenário mais pessimista possível, também faz uma avaliação individual de cada ação, porém, por um viés em que não saem como o esperado. Com esses três cenários, é possível que a administração faça previsões e se prepare para lidar com os riscos de maneira mais efetiva.

3. Estratégia CPM

Também conhecido como Caminho Crítico, o método COM (Critical Path Method) é o mais determinista de todos, procurando trabalhar com o planejamento das atividades a fim de identificar quais serão suas as principais incertezas.

Tudo que for percebido nesse processo deve ser utilizado para melhorar a identificação dos riscos de realizar tal ação, sendo um método fundamental para conhecer os pontos críticos do planejamento. Nele, é utilizado um diagrama de redes para representar as atividades. Cada ligação ou dependência das tarefas é desenhado no diagrama por meio de símbolos, como setas, linhas, círculos etc.

Sendo assim, o caminho está relacionado à ordem das tarefas e o caminho crítico é a sequência de tarefas que leva mais tempo, indicando de qual é o prazo máximo que o processo pode levar. Para considerar o sucesso de um processo no CPM, ele precisa terminar antes da data estipulada.

Vimos ao longo deste texto o que é e como implementar uma gestão de riscos nos seus processos financeiros de forma efetiva. Não se esqueça de que é fundamental realizar um planejamento com o objetivo de se antecipar.

Gostou do nosso texto sobre a gestão de riscos financeiros? Então nos acompanhe no Facebook, LinkedIn e YouTube e continue recebendo mais conteúdos como este.

Voltar