Como calcular a rentabilidade de um título de renda fixa?

Veja mais

Calcular a rentabilidade de um título de renda fixa é um fator essencial no momento de aportar. Esse cálculo permite, por exemplo, comparar as opções de investimento disponíveis e descobrir qual o melhor destino para o seu dinheiro.

Além disso, ele pode ajudar a entender se é vantajoso ou não resgatar o título antes da data de vencimento. Assim, conhecer a rentabilidade também é essencial para acompanhar sua carteira.

Por isso, neste artigo você verá conceitos importantes sobre a renda fixa e descobrirá como calcular a rentabilidade de um título. Confira!

O que é renda fixa?

Antes de aprender como calcular a rentabilidade é importante saber o conceito de renda fixa. Assim, você entenderá melhor o assunto. Trata-se de uma classe de investimentos em que é possível conhecer a lógica de remuneração do título no momento do aporte.

Contudo, apesar do nome, nem todas as aplicações disponíveis têm, necessariamente, uma rentabilidade fixa. Há títulos que apresentam juros prefixados, enquanto outros têm uma taxa de retorno que varia conforme o índice ao qual eles estão atrelados.

Assim, algumas opções permitem que você calcule o quanto receberá até a data de vencimento. Já outras, é preciso recalcular os ganhos sempre que o índice de referência sofre uma nova variação.

Os investimentos de renda fixa são divididos em títulos públicos e títulos privados. No primeiro tipo você empresta dinheiro para o Governo. No segundo, as aplicações são emitidas por instituições privadas, como bancos e securitizadoras.

Como funciona a rentabilidade da renda fixa?

Depois de entender o que é renda fixa, você viu que os títulos dessa classe podem apresentar tipos de rentabilidade distintos. Veja quais são!

Prefixada

Nos títulos prefixados, o rendimento é determinado no momento do aporte. Dessa forma, o investidor saberá exatamente quanto receberá na data de vencimento. Por exemplo, 10% ao ano.

Entretanto, o combinado vale apenas para resgates no prazo. Em resgates antecipados, os títulos prefixados estão sujeitos às condições do mercado no momento da venda. Dessa forma, eles podem ser vendidos por um preço menor do que foram comprados.

Pós-fixada

Os títulos de renda fixa pós-fixados estão atrelados a um indicador ou índice econômico do mercado. Isso significa que nesse tipo de rentabilidade é impossível saber exatamente quanto o investidor receberá na data de vencimento.

Ele apenas poderá ter uma previsão do quanto poderá receber ao final da aplicação por meio do histórico e das expectativas de comportamento dos índices aos quais os investimentos estão atrelados.

Híbrida

Os títulos de renda fixa combinam as características dos dois tipos de rentabilidade anteriores. Ou seja, eles têm uma parte prefixada e outra pós-fixada, informados no momento da aplicação. O Tesouro IPCA+ exemplifica bem a rentabilidade desse título.

Ao investir nele, você tem ganhos conforme a oscilação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais uma porcentagem fixa. Dessa forma, se esse índice subir, os seus rendimentos aumentam, acompanhando a inflação.

Qual a base para entender a rentabilidade da renda fixa?

Para compreender mais sobre a rentabilidade da renda fixa, é preciso conhecer os índices mais utilizados como referência nas aplicações pós-fixadas ou híbridas. Entre eles, destacam-se:

Taxa Selic

Conhecida também como taxa básica de juros da economia, a taxa Selic é um índice econômico que regula diversas operações no mercado financeiro. Por exemplo, empréstimos, financiamentos e outros produtos financeiros.

Além disso, a Selic interfere nos resultados dos investimentos atrelados a ela, como o Tesouro Selic. Os demais títulos também sofrem influência dessa taxa, pois normalmente rendem de acordo com um índice que tem alguma relação com a Selic.

Certificado de Depósito Interbancário (CDI)

O Certificado de Depósito Interbancário (CDI) é uma taxa que surge a parte de empréstimos realizados entre os bancos. O índice é bastante próximo da Selic e é comum encontrar títulos de renda fixa que rendam um percentual do CDI.

É o caso dos certificados de depósito bancário (CDBs), os certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) e do agronegócio (CRAs) e muitos outros.

Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

O IPCA é a sigla para Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Ele é considerado o indicador oficial da inflação no país. Por isso, é bastante importante para quem investe. Isso porque a inflação afeta diretamente seus ganhos reais.

Ou seja, você só consegue entender qual foi a rentabilidade real de um título de renda fixa quando considera a inflação. Um título de renda 10% ao ano durante um período em que a inflação foi de 12%, por exemplo, terá rentabilidade real negativa.

Assim, mesmo com o saldo aumentando, o investidor terá perdido poder de compra no dinheiro. Por conta disso, existem aplicações financeiras atreladas a índices de inflação. Por exemplo, o Tesouro IPCA e outros títulos híbridos.

Como calcular a rentabilidade da renda fixa?

Agora é o momento de entender como calcular os rendimentos de títulos e aplicações. Considere um exemplo para saber mais:

  • Investimento de R$ 3.000,00;
  • Rentabilidade anual de 11,05%;
  • Tempo de aplicação de 3 anos;
  • 15% de Imposto de Renda;
  • R$ 0,00 de taxas administrativas.

A fórmula utilizada para calcular a rentabilidade é a dos juros compostos, já que os rendimentos se acumulam durante o período de investimento. Ela é: M = C (1+i)ⁿ, onde:

  • M = é o rendimento total do investimento;
  • C = capital investido;
  • i = taxa de juros;
  • n = tempo de aplicação.

Assim, seguindo a fórmula, temos: M = 3.000 (1+0,1105)3. O total ao final do investimento será de R$ 4.108,43. Logo, a rentabilidade bruta é de R$ 1.108,43. Ainda é necessário descontar o Imposto de Renda, o qual será aplicado apenas sobre o rendimento.

Aplicando o desconto, temos: R$ 166,26 de impostos (15% x 1.108,43). Assim, a rentabilidade líquida foi de R$ 942,16. Depois disso, é preciso considerar a inflação para chegar à rentabilidade real. Você também pode considerar esse mesmo cálculo para avaliar outros investimentos.

Depois de conferir este conteúdo, você sabe como calcular a rentabilidade de um título de renda fixa. Esse conhecimento pode ser muito útil para avaliar alternativas e tomar suas decisões de aportes e resgates na carteira!

Quer investir na renda fixa? Entre em contato conosco e entenda as alternativas que oferecemos!

Voltar