Obter crédito de maneira vantajosa e flexível costuma ser essencial para o desenvolvimento e para a consolidação de médias empresas. Além de sustentar as operações com o capital de giro, é possível colocar em prática iniciativas que ajudam o negócio a se destacar e a chegar mais longe.

Como alternativa, existe o mercado de capitais. Esse ambiente é composto por diversos instrumentos que favorecem a captação de recursos — por exemplo, os investimentos de renda fixa. Saber como aproveitá-lo, portanto, é essencial para a gestão financeira do empreendimento.

Na sequência, descubra o potencial do mercado de capitais e veja como as médias empresas podem acessá-lo!

 

O que é o mercado de capitais?

 

O mercado de capitais consiste em um ambiente de negociação onde empresas e instituições captam recursos por meio da disponibilização de ativos mobiliários. Os investidores realizam aportes financeiros — que seguem para o negócio — e, em troca, podem receber a rentabilidade.

Dessa forma, o mercado de capitais compreende investimentos de diferentes tipos. O foco principal para médias empresas costuma estar na renda fixa, mas também existem investimentos de renda variável que fazem parte dessa estrutura.

 

Como o mercado de capitais funciona?

 

Além de conhecer o conceito de mercado de capitais, é importante entender como é o funcionamento desse mercado. Para isso, é possível olhar por duas óticas: pela visão da empresa que capta recursos e pela visão do investidor.

Nesse caso, os empreendimentos ficam responsáveis por emitir valores mobiliários ou ceder direitos, em troca da captação de montantes financeiros. Na renda fixa, esse processo é feito com base em condições conhecidas de rendimento — que pode ser prefixado, pós-fixado ou híbrido.

Já na visão dos investidores, o objetivo é conquistar um retorno positivo com base na alocação de recursos. Eles decidem fazer um investimento de acordo com a tolerância ao risco individual e os objetivos que possuem — avaliando, especialmente, a rentabilidade e a segurança.

 

Por que obter crédito dessa forma?

 

Agora que você entende como o mercado de capitais funciona, vale a pena saber por que recorrer a ele. Um dos principais motivos que atrai médias empresas para essa possibilidade é o conjunto mais facilitado de condições para obter crédito.

Em geral, emitir um investimento é uma alternativa mais barata do que buscar crédito junto a um banco. Então, em vez de fazer um financiamento com uma instituição financeira, é possível acessar o mercado de capitais para captar recursos diretamente de investidores.

Inclusive, essa é uma oportunidade que alcança os negócios desbancarizados. Se a sua empresa não tiver um relacionamento prolongado com um banco, é provável que tenha dificuldades para obter crédito. Com a negociação de ativos mobiliários, isso deixa de ser um problema.

As pequenas e as médias empresas do Brasil são especialmente favorecidas pela participação no mercado de capitais. Na prática, a redução da burocracia e as condições facilitadas ajudam na redução dos custos e do nível de endividamento.

Além disso, o empreendimento pode realizar investimentos que sejam úteis para otimizar a conquista de resultados. Assim, há como obter um diferencial em relação a outras médias empresas e ganhar competitividade perante os grandes negócios.

 

Como as médias empresas podem obter crédito no mercado de capitais?

 

Conhecendo o mercado de capitais, é possível identificar que existem diferentes possibilidades para as médias empresas que desejam captar recursos. Nesse caso, convém conhecer melhor as oportunidades e como funcionam.

Um caminho comum para empresas maiores é a estreia na bolsa de valores, por meio de uma oferta pública inicial (IPO). A partir desse momento, a companhia cede uma parte do negócio em troca dos recursos oferecidos por quem deseja investir em ações.

Porém, esse é um processo relativamente burocrático e que envolve custos elevados. Por isso, participar do mercado de ações não costuma ser tão interessante para médias empresas — que ainda estão em processo de crescimento.

Desse modo, existem alternativas mais acessíveis e vantajosas. Por exemplo, os títulos de crédito privado, que fazem parte da renda fixa. Uma dessas opções é o fundo de investimentos em direitos creditórios (FIDC).

Nesse tipo de investimento, sua empresa vende os direitos creditórios para uma securitizadora, como a Multiplike. Então seu negócio recebe à vista o dinheiro das vendas a prazo e a securitizadora transforma esses direitos em títulos.

Forma-se, assim, um fundo de investimento, do qual os investidores participam mediante compra de cotas. Os FIDC podem ser:

  • monocedente e multissacado: os recebíveis são de apenas uma empresa, distribuídos entre diversos investidores;
  • multicedente e monossacado: diversas empresas cedem os recebíveis para apenas um investidor;
  • multicedente e multissacado: diversas empresas cedem direitos creditórios para múltiplos investidores.

Por que contar com os FIDCs?

 

Como você viu, o FIDC é uma forma de obter crédito no mercado de capitais. Mas quais são as vantagens dele? Uma delas é a facilidade do processo. Com a Multiplike, por exemplo, tudo é feito com a menor burocracia possível.

Isso garante mais dinamismo para captar valores para o seu negócio. Ainda, as condições oferecidas aos investidores são menos custosas para a empresa do que pagar juros para um banco. Assim, é possível obter mais recursos com menos custos.

Outro ponto interessante é a acessibilidade dos FIDCs, quando comparado a outros títulos de renda fixa. Considere, por exemplo, o certificado de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA). Eles são limitados a empresas dos respectivos segmentos — o que não acontece com os FIDCs.

Além disso, uma vantagem muito relevante é que não há endividamento ao recorrer ao mercado de capitais. Como seu negócio vende direitos creditórios sobre vendas já realizadas, não é preciso comprometer o faturamento futuro.

Por fim, as médias empresas contam com diversas possibilidades ao obter os recursos com investidores. Existe a chance de montar, reforçar ou recompor o capital de giro da empresa, por exemplo. Assim, o empreendimento se prepara melhor para os imprevistos ou desafios do setor.

Também é possível investir em projetos variados do negócio, como melhorias de processo ou expansão da atuação. Como consequência, os resultados financeiros e o posicionamento da marca diante da concorrência podem ser favorecidos.

Neste artigo, você aprendeu como médias empresas podem acessar o mercado de capitais e quais são as vantagens de fazê-lo. Dessa forma, torna-se possível explorar as alternativas disponíveis a favor da estratégia do negócio.

Essas informações foram úteis? Para aproveitar as soluções de crédito do mercado de capitais, entre em contato conosco da Multiplike!