Juros altos: 3 dicas para aproveitar o momento e fazer seu dinheiro render

Veja mais

É muito provável que você já tenha visto na televisão ou lido em um jornal ou site sobre os juros altos no Brasil e a escalada da inflação, por exemplo. Mas, afinal, o que isso significa, de forma prática, para quem investe?

Em um cenário no qual as perspectivas econômicas podem mudar constantemente, é importante entender o contexto e buscar aplicações que tragam uma melhor rentabilidade. Assim, investidores podem encontrar vantagens ao investir com juros mais altos — mas é preciso saber onde investir.

Pensando nisso, neste artigo vamos explicar a dinâmica dos juros e apresentar 3 dicas que podem ajudar você a escolher melhor seus investimentos. Quer saber mais? Então nos acompanhe na leitura!

O que são juros altos?

Antes que você possa entender como investir em um cenário de juros altos, é importante compreender essa dinâmica de variação. Dessa forma, será possível visualizar como cada investimento pode performar.

Quando se fala em juros no Brasil, geralmente a referência principal é a taxa Selic. Ela é a taxa básica de juros da economia brasileira. Assim, é responsável por nortear as diversas operações que se desenvolvem no mercado financeiro.

Caso a Selic esteja alta, boa parte dos outros juros também deve acompanhar esse aumento. Isso significa que empréstimos e financiamentos podem ficar mais caros, por exemplo. Ao mesmo tempo, os investimentos de renda fixa podem render mais.

Quem determina esse aumento?

O aumento ou a queda dos juros parte do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central. Esse grupo se reúne a cada 45 dias e, com base em avaliações e perspectivas sobre o mercado, determina uma meta para a taxa.

Portanto, é sobre essa determinação de porcentagem que instituições financeiras poderão somar cobranças e demais juros. Além disso, esse valor também influencia questões relacionadas a empréstimos e crédito em geral para a população.

Contudo, o principal objetivo da Selic é controlar a inflação. Quando a inflação está mais alta, por exemplo, o Governo pode agir com intuito de conter esse aumento. Assim, a taxa básica de juros pode ser elevada para reduzir a circulação de dinheiro.

Dessa forma, em uma realidade com juros mais altos, é natural que muitas pessoas e empresas evitem financiamentos ou solicitações de crédito. Em contrapartida, se a Selic é reduzida, é comum que exista um aquecimento no mercado.

Como investir com juros altos?

Embora, em um primeiro momento, a elevação dos juros possa não parecer uma boa perspectiva, investidores podem encontrar vantagens nesse movimento. Um dos principais benefícios está nas aplicações de renda fixa — onde há previsibilidade de retorno.

Isso se dá porque muitos títulos usam a taxa básica de juros como referência para a rentabilidade. Assim, investidores que contam com esses produtos em sua carteira podem conseguir melhores retornos financeiros em cenários de juros altos.

Quer saber quais são os investimentos que oferecem essa possibilidade? Então acompanhe três opções no mercado de renda fixa que podem ajudar a fazer seu dinheiro render nesse cenário!

Confira!

Tesouro Selic

O Tesouro Selic é considerado um dos investimentos mais seguros do mercado. Isso se dá porque essa é uma aplicação com a garantia do Tesouro Nacional. Logo, as chances de inadimplência são mínimas.

Outra qualidade que torna esse investimento seguro é a sua alta liquidez. Ele pode ser rapidamente resgatado quando o investidor solicitar o seu resgate. Em geral, o risco de perda no resgate antecipado é muito baixo.

Com isso, ele se difere de outros títulos públicos — que só tem sua rentabilidade garantida ao fim do prazo. Por apresentar juros pós-fixados e render diariamente, o valor que o investidor terá o proporcional de rendimentos até a data.

Em relação à rentabilidade, vale notar que o nome do título vem justamente da taxa Selic. A nomenclatura se deve ao fato de que a aplicação rende exatamente de acordo com a taxa.

Contudo, apesar de o Tesouro Selic ser uma opção positiva em um cenário de juros altos, ele pode oferecer rentabilidade limitada. Por isso, tende a ser mais adequado para objetivos de curto prazo, como a formação da reserva de emergência.

Títulos privados pós-fixados

Mais alternativas que podem trazer benefícios com juros mais altos são os títulos de renda fixa privada pós-fixados. Assim como no Tesouro Selic, eles rendem de acordo com um indicador econômico. A diferença é que não são emitidos pelo Governo Federal.

Normalmente, os títulos emitidos por bancos e instituições financeiras rendem segundo o certificado de depósito interbancário (CDI). Essa é uma taxa muito próxima à Selic. Afinal, como você viu, a taxa Selic serve como referência para os outros juros do mercado.

Dessa forma, quando ela está em momento de alta, é esperado que o CDI performe de forma similar. Suas médias, inclusive, são quase idênticas. Logo, os títulos de renda fixa privada pós-fixados também são influenciados pela taxa básica de juros.

Com isso, os juros elevados beneficiam investimentos em títulos com essas características. Mas vale ter atenção, pois a diversidade de títulos é grande no mercado. Você poderá encontrar diversas taxas, prazos e liquidez, e nem sempre poderão ser adequadas à sua carteira.

CRI e CRA

Por fim, para aproveitar o cenário de juros altos pode ser interessante conhecer o certificado de recebíveis imobiliários (CRI) e o certificado de recebíveis do agronegócio (CRA). Esses títulos são lastreados em operações de crédito emitidos por securitizadoras.

Assim, são investimentos disponibilizados a partir de serviços de adiantamento de crédito. A securitizadora transforma o valor a receber em títulos para atrair investidores. Dessa forma, com juros mais altos, a rentabilidade pode ser interessante.

O CRI e CRA são títulos de renda fixa, mas costumam oferecer rentabilidades superiores a outros títulos privados. Isso acontece porque as operações de crédito podem ter um risco um pouco mais elevado. Esse risco, entretanto, pode ser diluído pelo investidor para aproveitar os juros altos.

Além disso, esses títulos também se caracterizam por serem isentos de Imposto de Renda sobre os lucros. Essa característica costuma tornar esses investimentos ainda mais atraente, pois promove maior ganho líquido.

Como você acompanhou neste post, entender as dinâmicas do mercado e como investir com os juros altos ajuda a tomar melhores decisões no âmbito financeiro. Nesse contexto, a renda fixa pode se tornar uma opção interessante para conquistar uma melhor rentabilidade — alinhada à segurança da renda fixa.

Quer aproveitar as vantagens do CRI e CRA? Aproveite para abrir uma conta gratuita na Multiplikee conheça nossos benefícios!

Voltar