Quando existe uma operação financeira, como empréstimo, investimentos ou outras, há diversos agentes envolvidos nessa negociação. Por exemplo, alguém que disponibiliza ou empresta recursos e outro que os obtém.

Como se trata de dinheiro, é fundamental ter também regras — como um lastro. Mas, afinal, o que é lastro? Esse é um termo que aparece com frequência no mercado financeiro e, apesar de parecer complicado, sua ideia é bem simples.

Está curioso para entender o que é lastro em uma operação financeira? Então não deixe de conferir este post para descobrir o que significa esse conceito. Boa leitura!

O que é o lastro financeiro?

O lastro significa uma garantia, ou seja, um atestado de que uma moeda ou ativo tem valor. Quer um exemplo? Até 1970, o dólar tinha como lastro o ouro. Desse modo, quanto maiores as reservas de ouro dos Estados Unidos, maior seria a emissão da moeda do país.

No Brasil, na época colonial, isso não era diferente. Por aqui, os reis tinham uma parte da moeda em prata. Assim, o metal garantia um valor para o dinheiro nacional. Atualmente, o lastro das moedas dos países é o próprio Banco Central, suas políticas e a taxa cambial.

Como é o lastro em investimentos?

A ideia de lastro não se aplica apenas às moedas de um país. O conceito também é bastante utilizado em investimentos. Dessa forma, quando o investidor compra um título, tem uma espécie de garantia ao fazer um investimento.

Um exemplo são os certificados de recebíveis imobiliários (CRI) — uma alternativa da renda fixa atrelada ao setor de imóveis. Se você compra esse título, sabe que ele tem como lastro uma operação no mercado imobiliário.

Funciona assim: quem emite esses títulos deixa como garantia um determinado bem. Assim, em caso de qualquer problema, como a falta de pagamento aos investidores, a garantia pode ser usada. Isso traz, portanto, mais segurança ao investidor.

O mesmo ocorre com os certificados de recebíveis do agronegócio (CRA), que são atrelados ao setor do agronegócio. Nesse caso, o lastro são os produtos ligados a essa área.

Os investimentos em renda variável também têm lastro. Ao adquirir ações você está comprando uma fração de capital de uma companhia, tornando-se sócio dela. Aqui, o lastro do investimento é a própria empresa.

Já os fundos de investimento imobiliário (FIIs), que também são negociados na bolsa, têm em sua carteira imóveis físicos ou títulos com lastro em imóveis. E até em algumas criptomoedas existe um lastro. O melhor exemplo é a moeda digital tether, que tem o lastro de 1:1 com o dólar.

Como se vê, o conceito de lastro nos investimentos traz uma segurança maior para o investidor no momento em que ele faz a alocação dos recursos.

O que é o lastro nas operações financeiras?

Além de ter envolvimento com as moedas de países e com investimentos, o lastro é um termo que aparece em operações financeiras. E, nesse ponto, é até mais simples de entender a ideia.

Quando um cliente solicita empréstimo junto a uma instituição bancária, o oferecimento de uma garantia consegue abrir a negociação para condições mais vantajosas. Nessa situação, o lastro pode ser a casa ou o veículo da pessoa, por exemplo.

Então, caso ela não pague sua dívida, o banco pode tomar a propriedade. Em financiamentos também existe a questão do lastro. Nos financiamentos imobiliários o lastro é o próprio imóvel financiado — que protege a instituição da inadimplência.

Portanto, nas operações financeiras, ter um lastro é uma segurança para as instituições que estão emprestando recursos. Assim, em caso de não pagamento, existe uma garantia. Geralmente, um bem do cliente.

Como se dá o lastro em operações de antecipação de recebíveis?

Quando se fala em operações financeiras, é importante conhecer como funciona o lastro na antecipação de recebíveis. A instituição financeira que trabalha com esse modelo atua em duas vertentes: capta recursos junto a investidores e concede crédito para empresas.

Nesse processo, o lastro das operações é, justamente, os pagamentos que a empresa ainda tem a receber. Então a instituição financeira compra as vendas a prazo da empresa. Desse modo, a empresa que busca o crédito pode receber à vista sem complicações ou burocracias.

Já os investidores que alocam seu capital na instituição financeira têm uma garantia maior de que terão seus ganhos. Isso porque o lastro são os títulos de crédito. Ou seja, a carteira de recebíveis que a instituição possui.

Logo, quando o investidor aporta seus recursos em instituições de referência, ele sabe que a empresa financeira só compra recebíveis de qualidade e que atua com diversos segmentos. Com isso, a taxa de inadimplência tende a ser mais baixa.

Ele ainda encontra outras vantagens, como:

  • alta liquidez;
  • segurança também com o capital próprio da instituição financeira;
  • rendimentos competitivos em relação às alternativas do mercado financeiro.

Por que é importante para empresas e investidores conhecerem o conceito de lastro?

Depois de compreender o que é lastro e como este é um termo importante na economia e nas operações financeiras, dá para notar que o conceito não deve ficar restrito aos especialistas do mercado financeiro, certo?

Como você viu, o lastro é sinônimo de garantia na compra de um ativo ou concessão de empréstimos. Sendo assim, é um fator que confere mais segurança em operações. Por isso, na hora de contratar um empréstimo ou investir, é necessário ter ciência sobre esse assunto.

No caso de uma empresa que precisa de um montante para seu capital de giro, por exemplo, o gestor pode conseguir o crédito via antecipação de recebíveis. Isso pode ajudar principalmente empresas menores a conseguir os recursos de forma facilitada e sem se endividar.

A ideia deste post foi explicar em detalhes o que é o lastro e como se dá essa garantia em diferentes cenários. Como vimos, esse é um conceito importante para você ter em mente, seja na hora de investir ou de captar recursos no mercado.

Você ficou com alguma dúvida de como funciona a antecipação de recebíveis? Entre em contato com a equipe da Multiplike e tire todas as suas dúvidas!