Onde investir seu dinheiro pensando em longo prazo?

Veja mais

Uma das principais dúvidas de quem deseja investir seu dinheiro é onde fazer esses aportes. Afinal, o mercado financeiro é repleto de alternativas e cada uma delas possui suas particularidades — como rentabilidade, prazo, risco, entre outros fatores.

Quem busca ter um futuro financeiro mais tranquilo e que não dependa exclusivamente da aposentadoria do Governo, pode se interessar por alternativas de longo prazo. Com elas, você pode consolidar seu patrimônio aos poucos e aproveitar melhor os efeitos dos juros compostos.

Que tal conhecer mais sobre esse assunto? Então continue a leitura deste post e aprenda onde investir o seu dinheiro com foco no longo prazo!

O que são investimentos de longo prazo?

Primeiro, é interessante entender que o prazo de um investimento corresponde ao tempo em que o dinheiro ficará investido para alcançar o resultado esperado. Nesse sentido, um investimento de longo prazo representa uma alternativa que terá uma longa duração — acima de 5 anos.

Além disso, os investimentos podem ter uma data de vencimento específica, como em muitos títulos de renda fixa, ou ser planejada pelo próprio investidor. No segundo caso, a prática é bastante comum na renda variável.

No entanto, há investimentos que duram várias décadas e podem ser realizados ao longo de toda a vida profissional — uma Previdência Privada, por exemplo. Portanto, é possível utilizar o período de 5 anos como base mínima quando se pensa em investir com foco em horizontes mais longos.

Por que eles são importantes?

Você já se perguntou qual é a importância dos investimentos de longo prazo? Na verdade, é bastante comum que as pessoas comecem a investir buscando recompensas imediatas e opções mais rentáveis. Porém, esse raciocínio pode atrapalhar os investidores iniciantes.

Isso porque grande parte dos investimentos demandam um período maior de maturação. Investimentos de renda fixa, por exemplo, possuem o retorno atrelado a um indicador financeiro ou taxa de juros.

Assim, a tendência é que no longo prazo, além da rentabilidade convencionada, o retorno do seu capital seja potencializado pelos efeitos dos juros compostos. Imagine, por exemplo, um título de renda fixa que pague 10% ao ano.

Caso você invista R$ 1.000, por apenas 1 ano, no final do período seu capital terá aumentado para R$ 1.100. Isso pode soar interessante se você tem um objetivo mais imediato — por exemplo, trocar de celular.

No entanto, o valor não será suficiente para você atingir o sonho de alcançar a liberdade financeira ou se aposentar com essa quantia. Por isso, se você quer alcançar objetivos maiores é importante considerar também investir em prazos maiores.

Veja, por exemplo, que se você mantiver o mesmo investimento por mais 1 ano, os juros serão computados sobre o valor principal e a rentabilidade adquirida. Nesse sentido, o resultado será de R$ 1.210 (correspondente a 10% sobre R$ 1.100,00).

Agora, consegue visualizar os efeitos que essa mecânica pode gerar em períodos de 15, 20 ou 30 anos? Ao mesmo tempo, isso não significa que você somente deve investir considerando o longo prazo.

Contudo, é importante saber montar uma carteira que contemple tanto investimentos de longo prazo quanto alternativas em prazos menores. Ademais, é necessário sempre considerar cada objetivo que você deseja alcançar para tomar as decisões sobre cada aporte. 

Como fazer investimentos de longo prazo?

Sabendo a importância de ter investimentos de longo prazo na carteira, é interessante saber como fazê-los. Veja a seguir!

Avalie seu perfil de investidor

Quando o assunto é investimentos, nem todas as pessoas estão dispostas a correr os mesmos riscos. Logo, antes de realizar uma aplicação ou aporte financeiro, considere se seu perfil de investidor é adequado aos riscos da alternativa de interesse.

Tenha um bom planejamento financeiro

Uma das chaves do sucesso do investidor é ter um bom planejamento financeiro. Ter a noção de quando entra e sai do seu orçamento é fundamental para que você possa investir com mais tranquilidade e sem se prejudicar o orçamento.

Realize aportes recorrentes

Como você viu, os juros compostos impactam nos resultados de um investimento — especialmente na renda fixa. Agora, com a realização de aportes recorrentes seus efeitos serão ainda maiores, já que os juros incidirão sobre quantias financeiras cada vez maiores.

Saiba diversificar seu portfólio

A diversificação é uma das estratégias mais utilizadas entre investidores de sucesso. Ela consiste em montar uma carteira com investimentos de diferentes características, como níveis de risco, rentabilidade e prazo.

Afinal, a premissa de diversificar é equilibrar a relação risco e retorno do portfólio. Nesse sentido, caso um investimento apresente uma rentabilidade inferior à esperada ou negativa, eventuais prejuízos podem ser compensados pelo lucro de outro investimento realizado.

Quais alternativas que podem ser interessantes para o longo prazo?

Depois de conferir alguns aspectos que devem ser observados para investir no longo prazo, chegou o momento de conhecer algumas alternativas disponíveis. Veja!

Ações

Na renda variável, é possível investir em ações visando o longo prazo. Nesse investimento você adquire papéis de empresas negociadas na bolsa de valores. A rentabilidade pode ser obtida com a valorização das ações ou com o recebimento de dividendos.

Contudo, o retorno do investimento é incerto podendo, inclusive, ser negativo. Isso significa que é um investimento arriscado, que demanda maior conhecimento e cuidado do investidor — embora os riscos sejam diluídos em prazos maiores.

Assim, pode fazer sentido buscar por alternativas na renda fixa, que oferecem maior segurança e podem entregar boa rentabilidade ao investidor.

CRIs e CRAs

Os certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) e do agronegócio (CRAs) são duas das alternativas que integram a renda fixa. Eles são títulos de crédito emitidos por securitizadoras — como a Multiplike — que visam financiar projetos nesses setores.

As suas taxas de remuneração são altamente competitivas e costumam superar certificados de depósito bancário (CDBs) e os títulos do Tesouro, por exemplo. Além disso, é um investimento que conta com isenção de Imposto de Renda. A característica aumenta o potencial de retorno e efeitos dos juros compostos no longo prazo.

Debêntures

As debêntures são títulos de renda fixa que representam um empréstimo. Na prática, uma companhia emite uma debênture para obter capital no mercado, junto aos investidores. O montante captado, por sua vez, é devolvido no futuro, mediante pagamento de juros.

Entre as debêntures, é possível encontrar as alternativas incentivadas — isentas de Imposto de Renda. Semelhante aos CRIs e CRAs, esse tipo de título eleva o potencial de retorno do investidor.

O prazo do investimento varia de acordo com cada debênture. Contudo, não é incomum encontrar alternativas com prazo de vencimento superior a 5 anos. Assim, esse título pode fazer parte da carteira de investidores com foco no longo prazo.

FDICs

Os fundos de investimento em direitos creditórios (FDICs) são uma modalidade de investimento cuja carteira é majoritariamente composta por direitos creditórios. Por isso, apesar de se tratar de um investimento de renda fixa, os FDICs oferecem um nível um pouco maior de risco.

Assim, investidores que buscam por melhores chances de rendimento para longo prazo podem optar por alocar parte do seu capital em FDICs.

Chegando até aqui, você já possui mais conhecimentos para ajudar a definir onde investir seu dinheiro visando o longo prazo. Porém, não esqueça de considerar o seu perfil e objetivos, bem como adotar estratégias para equilibrar os riscos de sua carteira — como a diversificação.

Quer investir nos melhores CRIs e CRAs, FDICs e outras alternativas de renda fixa do mercado? Entre em contato com a Multiplike e conheça nossos produtos!

Voltar