Renda fixa x renda variável: conheça as diferenças

Veja mais

O mercado financeiro oferece diversas opções de investimentos, cada qual com suas particularidades. Para tomar decisões embasadas e mais acertadas, é fundamental conhecer cada uma delas.

Nesse sentido, entender as diferenças entre renda fixa x renda variável pode ser um bom ponto de partida. Por isso, neste artigo você verá quais são as principais características dessas modalidades de investimentos, bem como quais são os seus tipos.

Assim, ao final da leitura, será possível identificar qual das alternativas pode ser mais interessante para a sua carteira. Vamos lá?

O que é renda fixa?

A renda fixa é uma classe de investimentos, com regras de rendimentos determinadas no momento do aporte. Dessa forma, o investidor sabe, por exemplo, qual é a taxa ou índice que será utilizado para valorizar o seu dinheiro.

Além disso, ele também conhece o prazo de vencimento do seu investimento. A renda fixa se divide em duas categorias principais: títulos públicos e privados. Os primeiros são emitidos pelo Governo Federal para angariar recursos para financiar seus projetos.

Enquanto isso, os títulos privados são criados por instituições financeiras, bancos e securitizadoras para captar recursos e financiar suas operações. Os títulos de renda fixa ainda podem ser divididos conforme o tipo de rendimento.

Veja só:

  • prefixado: tem uma taxa de juros fixa, conhecida no momento que ocorre o investimento;
  • pós-fixado: tem uma taxa de juros variável, que segue um indicador ou índice econômico, como a taxa Selic e o Certificado de Depósito Interbancário (CDI);
  • híbrido: é formado por uma taxa de juros fixa mais um indicador, como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Quais são os principais tipos de investimentos em renda fixa?

A renda fixa tem diversos investimentos disponíveis — e eles podem ter características bastante variadas em termos de prazo, taxas de juros, investimento mínimo e risco. Conheça algumas possibilidades de títulos públicos e privados:

  • Tesouro prefixado;
  • Tesouro IPCA+;
  • Tesouro Selic;
  • Poupança;
  • Certificado de depósitos bancários (CDB);
  • Letra de crédito imobiliário (LCI);
  • Letra de crédito do agronegócio (LCA);
  • Debêntures;
  • Letra de câmbio (LC);
  • Certificado de recebíveis imobiliários (CRI);
  • Certificado de recebíveis do agronegócio (CRA);
  • Fundos de renda fixa.

O que é renda variável?

Agora que você sabe o que é renda fixa, é o momento de entender o conceito de renda variável. Ela é uma classe de investimento que não apresenta previsibilidade ou garantia de rentabilidade. Isso porque ela está exposta às variações do mercado ou de um setor específico.

Entre os fatores que podem influenciar nos investimentos, destacam-se:

  • inflação;
  • taxa de juros;
  • produto interno bruto;
  • câmbio;
  • cenário político;
  • políticas econômicas.

Muitos tipos de investimento de renda variável são negociados na B3 — a bolsa de valores brasileira. Já outros, especialmente fundos de investimentos, estão disponíveis nas plataformas de bancos de investimentos ou corretoras.

Quais são os principais tipos de investimento em renda variável?

Entre os principais investimentos que fazem parte da renda variável estão:

  • Ações;
  • Fundos de investimento imobiliário (FII);
  • Fundos de índice (ETF);
  • Fundos de ações;
  • Fundos cambiais;
  • Fundos de ouro;
  • Fundos multimercados;
  • Certificados de depósitos em valores mobiliários (BDR);
  • Criptomoedas, entre outros.

Renda fixa x renda variável: quais são as principais diferenças?

Certamente, você já deve ter percebido algumas diferenças entre renda fixa x renda variável até aqui, certo? Contudo, vale a pena entender mais sobre as especificidades de cada uma dessas classes.

Veja a seguir as principais diferenças entre as classes!

Previsibilidade

Como você viu, a previsibilidade de ganhos é uma característica marcante dos investimentos de renda fixa. Afinal, é possível saber quais são as regras de rendimento. Por outro lado, isso não ocorre na renda variável.

Segurança

Em relação à segurança, os investimentos em títulos de renda fixa são considerados mais seguros, pela previsibilidade. Além disso, há opções que possuem garantias, como a cobertura pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Na renda variável, a volatilidade e o risco são maiores.

Potencial de ganhos

Devido à imprevisibilidade e à menor segurança, os investimentos de renda variável apresentam maior potencial de ganho como forma de compensação. Ao contrário da renda fixa, em que os retornos normalmente são limitados — porém, com mais garantias.

Liquidez

Há opções tanto na renda fixa quanto na renda variável que podem ser resgatadas a qualquer momento por terem liquidez diária ou serem vendidas muito rapidamente. Por outro lado, nas duas classes há alternativas com liquidez mais baixa.

Como saber se devo investir em renda fixa ou renda variável?

Depois de saber como funcionam as modalidades de investimento em renda fixa e variável, você pode perceber que os dois tipos têm seus riscos e suas vantagens. Mas, entre renda fixa x renda variável, em qual deles investir?

Para encontrar a resposta é preciso analisar alguns aspectos fundamentais. Confira!

Perfil de investidor

Seu perfil identifica sua personalidade e preferências ao investir. Em especial, sua relação com os riscos. Por exemplo, o investidor conservador tem alta aversão ao risco. Por isso, costuma investir em títulos de renda fixa por serem mais seguros.

Apesar disso, até mesmo investidores moderados e arrojados podem ter renda fixa na carteira, por exemplo. Afinal, ter um portfólio diversificado ajuda a equilibrar riscos.

Objetivos financeiros

No momento de escolher seus investimentos também é fundamental analisar os seus objetivos financeiros. Ou seja, quais são os seus planos para o dinheiro investido. Por exemplo, independência financeira, reserva de emergência, férias, aquisição de um imóvel etc.

Prazo de aplicação e liquidez

Após analisar o seu perfil de investidor e seus objetivos financeiros, ainda é preciso avaliar o prazo de aplicação e a liquidez. Afinal, o investimento escolhido deve estar coerente com os prazos dos seus objetivos financeiros.

Por exemplo, quem busca montar uma reserva de emergência precisa de opções que permitam resgatar o dinheiro a qualquer momento e em segurança. Logo, os investimentos seguros e de alta liquidez são mais adequados para essa finalidade.

Cabe ressaltar que não é preciso escolher entre uma classe e a outra. Como você viu, se fizer sentido para seu perfil e objetivos, é possível diversificar sua carteira de investimentos. Ou seja, realizar investimentos tanto em renda fixa quanto em renda variável.

Agora que você sabe quais são as diferenças entre renda fixa x renda variável, ficará mais fácil saber quais são os investimentos mais adequados para seu perfil e objetivos. Independentemente de sua escolha, lembre-se que a diversificação pode ser uma estratégia interessante para a sua carteira.

Gostou do artigo? Então continue aprendendo e descubra agora como montar uma carteira de investimento diversificada!

Voltar